T-Cross, Renegade, Creta, HR-V ou Kicks. Qual melhor SUV até R$110 mil?

O início das vendas do T-Cross com preços entre R$ 84.990 e R$ 109.990 deve ter levantado ainda mais dúvidas entre os consumidores que estão querendo comprar um SUV compacto. O segmento é o que oferece mais opções aos compradores, com modelos de características distintas, como também valores com diferenças significativas.

Como são muitos concorrentes e um número quase infinito de versões, vamos reunir as opções mais caras entre os compactos mais vendidos no nosso mercado, que ficam na faixa entre R$ 100 mil e R$ 110 mil. Vale ressaltar que estamos falando de veículos com motorização flex.

Vamos começar pela novidade da Volkswagen, que ainda está em pré-venda e só chega às lojas em abril. Se você puder ou quiser esperar, a versão topo de linha do T-Cross sai por R$ 109.990. Não vamos incluir os opcionais em nenhum de nossos modelos comparados, porque os valores chegariam a um patamar muito elevado.

LEIA MAIS

+ Conheça todas as versões e preços do T-Cross, que parte de R$ 84.990

+ Volks lançará um novo SUV menor que T-Cross para chegar logo após o Tarek

Mesmo sem os opcionais (teto solar, painel digital, park assist, entre outros), o T-Cross ainda é um dos mais equipados da turma. Ele conta com rodas de 17 polegadas, ar-condicionado digital, câmera de ré, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, frenagem automática pós-colisão, controle de estabilidade, sistema start-stop, bancos revestidos em couro, detector de fadiga do motorista, central multimídia de 6,5 polegadas, iluminação diurna em LED, lanternas traseiras em LED, faróis automáticos e sensor de chuva.

O conjunto mecânico nessa versão Highline também é uma das mais interessantes do mercado. A junção do motor 250 TSI com o câmbio automático de seis velocidades nós já conhecemos na nova Tiguan, Jetta e Golf. Trata-se de um trem de força eficiente, que acelera muito bem e consome pouco. São 150 cv de potência e 25,3 kgfm de torque muito bem distribuídos pela caixa automática de seis velocidades, com opção de mudanças sequenciais no paddle shift atrás do volante.

Por R$ 5 mil a menos que o T-Cross Highline você pode levar um Creta Prestige com nível semelhante de equipamentos do rival da Volks. O Hyundai também vem com rodas de liga leve de 17 polegadas, luz diurna em LED, bancos em couro, monitoramento de pressão dos pneus, controle de estabilidade (ESP), assistente de partida em rampa, ar-condicionado digital, start/stop, botão de partida, banco do motorista com ventilação, rebatimento elétrico dos retrovisores externos, câmera de ré, sensor crepuscular e central multimídia de 7 polegadas sensível ao toque.

LEIA MAIS

+ Chave presencial em forma de pulseira vira opcional no Hyundai Creta

+ Hyundai Creta ganha versão mais barata com câmbio automático

Nessa versão, o Creta vem equipado com motor 2.0 e transmissão automática de seis velocidades. Ao ver o volume do propulsor, muita gente pode achar que ele é melhor para puxar um SUV, mesmo que compacto. Em potência, o trem de força sul-coreano tem mais vigor, pois entrega até 166 cv. Mas é no torque que o 1.4 turbo da Volks se destaca. São 25,3 kgfm do 250 TSI contra 20,5 do sul-coreano. Para se ter uma ideia dessa diferença, o T-Cross 1.0 turbo tem o mesmo torque (força) que o Creta 2.0 aspirado.

Esse toque bem mais elevado vai garantir mais agilidade no trânsito, com saídas bem mais vigorosa. Por ser de menor volume, turbinado e com injeção direta de combustível, o 250 TSI vai ser mais econômico também. Portanto, se você vai andar muito no seu SUV compacto, os R$ 5 mil de diferença pode não ser uma vantagem muito grande para o Creta.

Assim como o creta, o Renegade Limited é mais barato que o T-Cross Highline. Aqui, a diferença é de R$ 4 mil e o Jeep nessa versão tem o mesmo nível de equipamentos que o rival alemão. Vem com rodas de liga leve de 19 polegadas, bancos em tecido, ar-condicionado digital, sistema start/stop, controle de estabilidade (ESP), assistente de partida em ladeira, freio de estacionamento eletrônico, câmera de ré, central multimídia de 7 polegadas, luz diurna em LED, entre outros.

LEIA MAIS

+ Renegade ganhará motor 1.3 turbo no primeiro semestre de 2019

+ Renegade 2019 é apresentado com novidades no estilo, tecnologia e com porta-malas maior

Uma desvantagem do Renegade ante ao T-Cross está sob o capô. Enquanto o alemão traz um conjunto mecânico moderno, o Jeep é carregado nessa versão pelo cansado motor 1.8 flex de 139 cv de potência e 19,6 kgfm de torque distribuídos pelo câmbio automático de seis marchas. Assim como o Creta, o Renegade tem menos força que o T-Cross na versão de entrada com motor 1.0 turbo.

Devido a essa disparidade, a Jeep vai trazer, ainda neste ano, o motor 1.3 turbo para o Renegade, com 150 cv. Dessa forma, o jipinho produzido em Pernambuco poderá acelerar lado a lado com o T-Cross. 

O ex-líder de vendas entre os SUVs compactos é o que se aproxima mais do T-Cross Highline no preço. A versão EXL do HR-V custa R$ 108.500 e tem lista de equipamentos de série bem generosa. Ele vem, entre outras coisas, com rodas de 17’’, controle de estabilidade (ESP), assistente de partida em ladeira, DRL, ar-condicionado digital, câmera de ré, central multimídia de 7’’ sensível ao toque, rebatimento elétrico dos retrovisores e bancos em couro.

LEIA MAIS

+ HR-V 2019 ganhará versão Touring com motor 1.5 turbo

Assim como seus principais rivais, HR-V tem um motor maior do que o T-Cross, mas isso não quer dizer que seja melhor. O 1.8 flex do Honda tem até 140 cv de potência, mas apenas 17,4 kgfm de torque distribuídos pela transmissão do tipo CVT.

A Honda vai trazer ainda neste ano a versão topo de linha do HR-V, a Touring, com motor 1.5 turbo de 173 cv de potência. Essa vai desbancar o T-Cross na pista, mas a questão é o preço que a Honda vai cobrar por ele. Se o 1.8 aspirado já custa R$ 108.500 (EXL), o Touring deve ficar na casa dos R$ 115 mil, no mínimo. Enquanto essa versão não chega, o T-Cross Highline tem mais vantagem no custo/benefício que o HR-V EXL.

Mais barato da turma, o Kicks tem uma das melhores relações custo/benefício de nosso “comparativo”. Custa cerca de R$ 7 mil a menos que o T-Cross, mas tem uma ampla lista de equipamentos de série, alguns inéditos no segmento, como as câmeras que dão visão 360º e bancos dianteiros com tecnologia Zero Gravity. Além disso, tem ar-condicionado digital, painel multifuncional de 7 polegadas, alerta de colisão, botão de partida, assistente de partida em ladeira e central multimídia de 7’’ sensível ao toque.

LEIA MAIS

+ Nissan já testa o motor do novo Kicks híbrido, que chega no ano que vem

Muito bem equipado, o Kicks deixa um pouco a desejar na motorização. Seu motor 1.6 aspirado entrega apenas 114 cv de potência e 15,5 kgfm de torque com câmbio CVT. São números menores que o TSI 200 da versão de entrada do T-Cross.

O desempenho do Kicks pode deixar a desejar para quem procura uma pegada mais esportiva ou para quem viaja muito. Mas, para o dia a dia do trânsito na cidade, o conjunto mecânico da Nissan desempenha um bom papel pois não é “beberrão”.

DENTRO DA MÉDIA

Além dos modelos que descrevemos acima, outros também se destacam na faixa de preço entre R$ 100 mil e R$ 110 mil. O EcoSport tem a versão Storm (R$ 108.390) com motor 2.0 de 176 cv de potência e 22,5 kgfm de torque acoplado ao câmbio automático de seis velocidades. O Ford é um único entre os compactos a oferecer esse conjunto mecânico flex com tração 4×4.

O Chevrolet Tracker na versão Midnight custa R$ 106.290, tem uma boa lista de equipamentos de série e um conjunto mecânico moderno, com o motor 1.4 turbo de 152 cv de potência e 24,5 kgfm de torque casado à transmissão automática de seis velocidades. É o que mais se equipara ao T-Cross no quesito trem de força, mas peca no espaço interno, com 10 cm a menos de entre-eixos que o rival alemão.

O que podemos concluir depois de ver todos esses modelos é que o T-Cross ficou na média de preços dos seus principais concorrentes. É o mais caro, sim, é verdade. Mas é um dos mais modernos quando falamos em plataforma, mecânica e equipamentos de segurança e tecnologia a bordo.

Alguns concorrentes terão que se mexer para trazer versões mais modernas de motores e novos equipamentos de série, sem aumentar muitos os preços. Claro que o T-Cross vai ter que “comer muito feijão” para entrar no pódio dos compactos. Mesmo com o fator novidade a seu favor, não será fácil tirar clientes de modelos já consolidados no mercado.

DIMENSÕES (em milímetros)

T- Cross

Comprimento: 4.199

Largura: ND

Altura: 1.568

Entre-eixos: 2.651

Porta malas: 373 a 420 litros

RENEGADE

Comprimento: 4.232

Largura: 1.798

Altura: 1.659

Entre-eixos: 2.570

Porta malas: 320 litros

CRETA

Comprimento: 4.270

Largura: 1.780

Altura: 1.635

Entre-eixos: 2.590

Porta malas: 431litros

HR-V

Comprimento: 4.294

Largura: 1.772

Altura: 1.586

Entre-eixos: 2.610

Porta malas: 437 litros

KICKS

Comprimento: 4.295

Largura: 1.760

Altura: 1.590

Entre-eixos: 2.610

Porta malas: 432

* A Matéria foi atualizada com correções sobre os itens de série da versão Limited, do Jeep Renegade. Anteriormente, os itens listados eram da versão de entrada.

Publicidade

Artigos Recentes

Publicidade
Publicidade