Eventos Mercado

Salão de Tóquio é salvo pelas marcas japonesas, que mostram um futuro real

SBD AUDI A4 e Q3

Tóquio – O Salão de Tóquio chega a sua 46º edição salvo pelas montadoras japonesas. Nada de Volkswagen e do grupo que inclui a Porsche e Audi, por exemplo. Muito menos BMW, Volvo, Jaguar, Land Rover. Do Velho Continente está a Mercedes-Benz e a Renault com presença acanhada e motivada pela aliança com a prima Nissan. Nem pensar ou imaginar Chevrolet e Ford. O cenário construído no Tokyo Big Sight não é mais o mesmo. A realidade é outra.

LEIA MAIS

+ Honda apresenta quarta geração do Fit, mas não confirma o Brasil

O luxo da Lexus de um lado, perto da Mercedes e do novo Classe A sedan 35 AMG. Em frente está a Mazda para exibir o conceito 100% elétrico LF30 que aposta comunicação do homem e da máquina. O crossover radicaliza no design e vai dividir opiniões se for inspirar o futuro da fabricante.

Mercedes mostrou a linha AMG do Classe A Sedan

E quanto a Toyota? Em um pavilhão de convenções distante a montadora leva o fã para fazer o percurso que vai complicar a vida do visitante. É preciso sair do prédio principal e enfrentar uma fila gigante, dependendo da hora, encarar o sol para acessar os ônibus que levará o entusiasta ao espaço da marca. Você pode ir a pé? Sim, mas vai custar uns 20 minutos de caminhada com uma subida de ponte no trajeto e de bônus acredito apenas na vista parcial da cidade.

Tudo muito cansativo. E chegando por lá, não espere encontrar carros futuristas que servem de inspiração para projetos de gaveta (aqueles que desaparecem e ninguém lembra mais). Em resumo, nenhuma montadora “viajou na maionese”. Sem essa de torrar dinheiro com as experiências que só divertem ou empolgam pelo exagero visual. O negócio é tecnologia e, em alguns casos, nostalgia para fortalecer a história. Mas isso conto mais adiante.

A Toyota foca no presente, na mobilidade e nos jogos olímpicos de 2020 quando vai lançar projetos autônomos de quarta geração e sensoriais também, como o carro que expressa sentimentos, o exótico LQ. Os japoneses são incríveis nesse sentido. Conseguem apenas pelo olhar extrair de você o ohhh! Que fofo! E de forma mais clara, o meio de transporte da Vila Olímpica, aqui anunciado, será 100% AI. De inteligência artificial. Sem motorista a bordo.

Vamos ver o carro voar? Ainda não, mas penso que não será tarefa tão difícil para futuras experiências. Os japoneses apostam no amanhã como se fosse hoje. Exemplo de automóveis feitos para o público que está amadurecendo, chegando a boa idade e precisando de mobilidade em formato compacto, como o BEV. O mundo por aqui é elétrico ou híbrido e disso já falo há muito tempo. Mas tem a fase do meio ambiente limpo. Do carro 100% amigo da natureza. Esse é o projeto do Mirai concept, modelo a hidrogênio, que dá continuidade a primeira geração desse veículo de design anterior nada agradável.

Mirai Concept

A proposta agora é entregar eficiência com arquitetura moderna para que os mercados aceitem e planejem uma ampliação da rede de postos para abastecer o tanque de hidrogênio. O foco do Mirai continuará sendo os EUA, a Europa e o Japão. Por aqui ainda deu para visitar uma estação no prédio que abriga o projeto mega web, que fica o ano inteiro, onde a Toyota mantém a proposta de mostrar o futuro e nele reúne os astros sobre rodas que estarão nos jogos do ano que vem. Lá o barato é encontrar o ultracompacto BEV e o sorridente LQ.

A Nissan que tem o automóvel mais vendido do mercado japonês, o Note, também resumiu sua vida em Tóquio para dois futuristas que representam o alinhamento da marca. O quadrado IMK e o estiloso crossover Ariya. Não tire da memória essa segunda opção porque podermos falar mais dele no futuro. Bem objetiva, a empresa poupa projeções do amanhã e aposta no que vai ser o presente. Ela completa o estande com a grife Nismo e reforça o conceito do 100% elétrico Leaf como seu representante global mais importante. Para os brasileiros ainda sobrou a entrevista com o presidente da montadora, Marcos Silva, que confirmou a nova geração do Versa convivendo com a atual, a partir de abril no Brasil. Modelo será importado do México.

E a dona do evento? Pela importância do lançamento é ela, a Honda. Quem apostou no Fit como carro do salão acertou. O monovolume ficou melhor, mais esperto, tem opção híbrida e versões que inclui a que remetem ao estilo aventureiro urbano, tendência no mercado europeu. O Fit não estreia no Brasil nem tão cedo mas as chances de chegar em 2021 são boas. A mesma Honda gasta pouco tempo para exibir os outros membros da família como Accord, Cr-V híbrido, o lendário NSX e o jato Honda Jet que ganha display interativo e exclusivo.

Lembra quando escrevi há pouco sobre nostalgia. Vamos lá, nesse estande você mergulha nos 60 anos de história da marca nas competições, como Fórmula 1 e motovelocidade, se emociona ao tocar (olhe que não pode) no McLaren MP4, do invencível Ayrton Senna aos dias atuais da montadora nas corridas. Ah! Tem mais porque um corredor vai levar o visitante à apaixonante recordação da linha CB. Duas rodas neles!

Só isso? Não. Suzuki, Mitsubishi e Daihatsu estão no jogo. A MIT mais ousada lançou a reestilização do ASX e dessa vez com 100% de acerto. O modelo recebeu a frente do Eclipse Cross. Nada de reforma visual nas lanternas do Pajero Sport por aqui.

As outras duas marcas mostram conhecimento e criatividade no mundo dos carros compactos. Yamaha e Kawazaki marcam presença, a nova Ninja está no evento que precisa ser reinventado na próxima edição em 2021.

SBD VW TCross

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Baixe meu E-book

Inscreva-se para receber seu e-book gratuitamente

Acompanhe nosso canal

300×250 NEO Blindados
RET Autoparvi Corolla
RET VW Virtus