Publicidade

Novo Honda HR-V surpreendeu pelo baixo consumo na cidade

Publicidade

A fórmula da Honda para a segunda geração do HR-V foi clara: encorpar o SUV de visual cupê e apostar em versões com motor aspirado que tem consumo de carro híbrido. Enquanto as versões turbinadas não chegam, quem quiser ter o novo HR-V na garagem terá que se contentar com as duas versões com o motor 1.5 aspirado igual do City, com 126 cv de potência e 15,8 kgfm de torque – sempre com câmbio CVT.

 

Quem vê os números de entrega do conjunto mecânico pode pensar que o SUV de porte médio mas de medidas compactas ficou manco. Mas não é bem assim. Na cidade, o desempenho do motor é mais que suficiente para o público da Honda. Na estrada você poderá sentir um pouco de falta de fôlego do motor, mas com paciência no pedal você não ficará na mão.

O que é certo é que os números do consumo são muito semelhantes ao que conseguimos no City sedã e hatch. O novo HR-V tem autonomia de carro híbrido na cidade. Você vai entender essa conta.

Ficamos alguns dias com o novo HR-V na versão intermediária EXL que custa R$ 150 mil. Rodamos apenas na cidade e fazendo medições diárias de consumo na saída de casa pela manhã e fechando a conta quando encostávamos o carro na garagem à noite.

Andamos pouco mais de 220 km com o SUV no trânsito sempre truncado do Recife (PE) e nossa pior marca foi de 14,1 km/l de gasolina. Com esse consumo seria possível rodar ótimos 705 km com um tanque de 50 litros.

Já nossa melhor marca foi 14,4 km/l, possibilitando assim uma autonomia de 720 km rodando apenas na cidade, com ar-condicionado sempre ligado e modo Econ ativado. Nada mau para um SUV de 1.305 kg e de câmbio automático. Se você comparar com os rivais SUVs, essa marca dificilmente será batida. Nem mesmo aqueles que destacam o “Hybrid” estampado na carroceria usando o sistema elétrico auxiliar de 48V.

O novo HR-V tem autonomia de SUV híbrido de verdade na cidade. Não terá a pegada esportiva de alguns rivais, isso é fato. Mas em tempos de gasolina cara, mais vale um tanque cheio na mão do que dois carros voando na rua.

 

Publicidade

Artigos Recentes

Publicidade