Jaguar F-Pace é esportividade pura

Os crossovers vêm conquistando cada vez mais espaço no mundo pela comodidade de se ter diferentes tipos de atributos em um automóvel. Há não muito tempo, você tinha um carro de passeio para andar na cidade e viajar ou comprava um utilitário para andar em terrenos mais pesados. Era muito comum ter um carro para a semana e um SUV ou uma picape para os finais de semana. Com as ruas cada vez mais apertadas e as vagas de estacionamento em processo de extinção, as montadoras começaram a reunir os aspectos positivos dos dois segmentos em um único veículo. Assim nasceram os crossovers. O conforto e agilidade de um automóvel de passeio, com espaço interno e capacidade de desbravar terrenos de um SUV.

Fomos à Córsega testar o novo Jaguar E-Pace

Imagina então poder somar outro atributo a essa fórmula. Muitas montadoras – principalmente as alemãs – já vêm investindo em SUVs com pegada de carro esportivo. Mas se tem alguém que entende desse aspecto como poucos é a Jaguar, que no ano passado entrou no mundo do SUVs com todo sua experiência em fazer carros velozes tanto para as pistas como para as cidades. Essa é uma das razões para o F-Pace ter sido um sucesso imediato, tornando-se o veículo mais vendido da marca inglesa. As outras razões mostraremos nas próximas linhas, detalhando como é acelerar essa máquina que custa mais de R$ 400 mil.

A robustez na dianteira do utilitário divide espaço com a esportividade herdada do F-Type

O visual o F-Pace segue a mesma linha da F-Type, superesportivo que se tornou um divisor de águas no design da Jaguar. Desde seu lançamento, há cerca de 5 anos, a Jaguar nunca mais foi a mesma. Aquele estilo clássico (meio tiozão) abandonou a prancheta dos designers ingleses e deu lugar a linhas ousadas e vincos pesados, que cortam os carros de ponta a ponta. O conjunto óptico também carrega a mesma identidade nos modelos recentes da montadora: lanternas e faróis são finos e usam sempre LED para a iluminação.

Com seus 4,73 metros de comprimento e 2,87 m de entre-eixos, o F-Pace passa mais sensação de espaço interno de que seus rivais da BMW e Porsche. Único que aparenta ser mais espaçoso que ele é o Volvo XC-90, que de fato é maior e leva até sete passageiros.

 O nível de acabamento do F-Pace é o esperado para um carro nessa faixa de preço. Não perca tempo procurando falhas porque você não as encontrará. É bem verdade que, no quesito tecnologia, o F-Pace não inova muito em relação aos seus concorrentes.

A traseira também não esconde em nada a identidade do F-Type com grandes lanternas que invadem a lateral

Tem tecnologia, mas nem precisava

Voltamos a falar do interior do F-Pace, mas agora para detalhar a tecnologia a bordo. Quando dissemos que o Jaguar não traz nada além do que seus rivais oferecem, não quer dizer que o modelo seja pobre de equipamentos. Longe disso. O F-Pace justifica seu preço (pelo menos para os padrões e valores europeus) entregando tecnologia voltada para o conforto dos passageiros, como seu ar-condicionado digital de três zonas. Passageiros da frente e do banco traseiro podem escolher a temperatura que quiserem. O Laser Head-up Display é outro destaque, pois projeta informações do carro no para-brisa, permitindo que o motorista nunca tire os olhos da estrada.

Para quem não precisa se preocupar com a direção, a Jaguar oferece um sistema multimídia composto por tela de 10,2 polegadas sensível ao toque com interface intuitiva e resolução, similar à dos smartphones e tablets. O painel de instrumentos também é digital, mas confesso que mexer para mudar ‘os temas ou o computador de bordo não é das coisas mais fáceis. Tudo isso é bonito e tal, mas o bom mesmo com o F-Pace é usar o pé direito e acelerar!

O que os olhos não veem o pé direito sente
É ao dirigir o F-Pace que você realmente pode sentir a união de todos os atributos que detalhamos antes.  Mesmo com a pegada esportiva da Jaguar, o modelo tem o conforto de um sedã de luxo na cidade. A suspensão pode não ser das mais macias, mesmo assim as imperfeições do asfalto brasileiro não são muito sentidas. Nas curvas não há inclinação – é como se a força G não existisse.

Mas é o motor 3.0 V6 escondido sob o capô a “cereja do bolo” do F-Pace. Na versão que testamos, a topo de linha, o propulsor é calibrado para entregar 380 cv de potência e 45,8 kgfm de torque, proporcionando uma aceleração de 0 a 100 km/h em apenas 5,8 segundos e velocidade máxima (limitada eletronicamente) de 250 km/h.

Talvez os números não sejam a melhor forma de descrever a força desse carro.  Você nem precisa mudar o sistema de condição para Dinâmico (o mais arisco de todos os quatro modos) para sentir o impacto no seu corpo ao fazer uma saída rápida no Jaguar.  Mas aconselho que sim, coloque o seletor no modo mais esportivo e acelere (com prudência). Nessa configuração de condução, o ronco do V6 é inebriante. Paixão ao primeiro pisar no acelerador. A passagem das oito marchas não é sentida e a tração integral serve como garras de Jaguar que prendem o gigante no asfalto.

Ficha técnica – Jaguar F-Pace S

Motor
Cilindradas –  2,995 cm³ Potência – 380 cv
Torque máximo – 45,9 kgfm (a 4.500 rpm)
0 a 100 km/h – 5,8 s
Velocidade máxima – 250 km/h
Câmbio automático de 8 velocidades
Dimensões
Altura total (mm) – 1.651
Entre-eixos (mm) – 2.874
Comprimento (mm) – 4.731
Largura (mm) –1.936 Capacidade do porta-malas (litros) – 650
Peso (kg) – 1.861

Publicidade

Artigos Recentes

Publicidade
Publicidade