Mercado

Ford fecha as fábricas no Brasil e encerra produção do Ka e Ecosport

A Ford Motor Company anunciou nesta segunda-feira (11) que encerrará a produção de todas as suas fábricas no Brasil ainda neste ano. Com isso, os modelos produzidos por aqui e os mais vendidos pela marca em nosso mercado saem de linha, como Ka hatch, Ka Sedan, Ecosport e Troller. As plantas que serão fechadas em 2021 serão as de Camaçari (BA), Taubaté (SP) e da Troller (Horizonte, CE). O motivo apontado pela gigante do setor automotivo é o “ambiente econômico desfavorável e a pressão adicional causada pela pandemia”.

A Ford atenderá a região com seu portfólio global de produtos, incluindo a picape Ranger produzida na Argentina, a nova Transit, o Bronco, o Mustang Mach 1, e planeja acelerar o lançamento de diversos novos modelos conectados e eletrificados.

A montadora afirmou que mantém assistência total ao consumidor com operações de vendas, serviços, peças de reposição e garantia para seus clientes no Brasil e na América do Sul. A empresa também manterá o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia, o Campo de Provas, em Tatuí (SP), e sua sede regional em São Paulo.

A Ford está presente há mais de um século na América do Sul e no Brasil e sabemos que essas são ações muito difíceis, mas necessárias, para a criação de um negócio saudável e sustentável”, disse Jim Farley, presidente e CEO da Ford. “Estamos mudando para um modelo de negócios ágil e enxuto ao encerrar a produção no Brasil, atendendo nossos consumidores com alguns dos produtos mais empolgantes do nosso portfólio global. Vamos também acelerar a disponibilidade dos benefícios trazidos pela conectividade, eletrificação e tecnologias autônomas suprindo, de forma eficaz, a necessidade de veículos ambientalmente mais eficientes e seguros no futuro.”

Ainda segundo o comunicado da Ford, a empresa trabalhará imediatamente em estreita colaboração com os sindicatos e outros parceiros no desenvolvimento de um plano justo e equilibrado para minimizar os impactos do encerramento da produção. “Trabalharemos intensamente com os sindicatos, nossos funcionários e outros parceiros para desenvolver medidas que ajudem a enfrentar o difícil impacto desse anúncio”, disse Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul e Grupo de Mercados Internacionais. “Quero enfatizar que estamos comprometidos com a região para o longo prazo e continuaremos a oferecer aos nossos clientes ampla assistência e cobertura de vendas, serviços e garantia. Isso se tornará evidente ao trazermos para o mercado uma linha empolgante e robusta de SUVs, picapes e veículos comerciais conectados e eletrificados, de dentro e fora da região.”

Watters acrescentou que, além da confirmação da produção da nova geração da Ranger, da chegada do Bronco, do Mustang Mach 1 e da Transit, a Ford também planeja anunciar outros modelos totalmente novos, incluindo um veículo híbrido plug-in. “Isso se alia à expansão de serviços conectados e de novas tecnologias autônomas e de eletrificação nos mercados da América do Sul.”

A produção será encerrada imediatamente em Camaçari e Taubaté, mantendo-se apenas a fabricação de peças por alguns meses para garantir disponibilidade dos estoques de pós-venda. A fábrica da Troller em Horizonte continuará operando até o quarto trimestre de 2021. Como resultado, a Ford encerrará as vendas do EcoSport, Ka e T4 assim que terminarem os estoques. As operações de manufatura na Argentina e no Uruguai e as organizações de vendas em outros mercados da América do Sul não serão impactadas.

IMPACTO

Em decorrência desse anúncio, a Ford prevê um impacto de aproximadamente US$ 4,1 bilhões em despesas não recorrentes, incluindo cerca de US$ 2,5 bilhões em 2020 e US$ 1,6 bilhão em 2021. Aproximadamente US$ 1,6 bilhão será relacionado ao impacto contábil atribuído à baixa de créditos fiscais, depreciação acelerada e amortização de ativos fixos. Os valores remanescentes de aproximadamente US$ 2,5 bilhões impactarão diretamente o caixa e estão, em sua maioria, relacionados a compensações, rescisões, acordos e outros pagamentos.

A Ford afirmou que está constantemente avaliando seus negócios em todo o mundo, incluindo a América do Sul, fazendo escolhas e alocando capital de forma a avançar em seu plano de atingir uma margem corporativa EBIT de 8% e gerando um forte e sustentável fluxo de caixa. O plano da Ford prevê o desenvolvimento e a oferta de veículos conectados de alto valor agregado e qualidade – cada vez mais eletrificados –, com serviços acessíveis a uma gama mais ampla de consumidores.

Análise da Notícia

Por Jorge Moraes

Dia de pesar para a indústria automotiva

Uma empresa com mais de 100 anos de Brasil se despede da manufatura no país. Deixam de ser produzidos o Ka, um dos mais vendidos no ranking da Fenabrave em 2020 (67.283 unidades) Ecosport (24.034), jipinho que lançou a onda SUV, e Troller T4. Os consumidores estarão amparados, lógico.

Primeiro, o complexo dos caminhões em fevereiro de 2019, no ABC, e agora Taubaté (SP), Camaçari (BA) e Horizonte (CE). A Ford assina um novo capítulo que certamente poderá ser, em um futuro próximo, acompanhada por outras montadoras. Infelizmente. A situação pandêmica é desgastante e a dor humana incalculável. São cerca de cinco mil pessoas no processo de desligamentos, parte dos 187 mil colaboradores da montadora no mundo.

Difícil imaginar que a locomotiva do Henry Ford iria parar em pleno começo de 2021 no mercado brasileiro. Ninguém arriscaria dizer isso agora, muito menos eu porque quantos planos e tantas viagens com promessas de produtos e soluções de mobilidade para o futuro. Também vi de perto tudo isso a partir de feiras e congressos como a CES, em Las Vegas e outras tantas visitas à sede em Dearborn, Michigan, EUA.

Em abril de 1967, a marca produziria por aqui seu primeiro carro, um elegante Galaxy, para época. A montadora criada no Brasil em 1919, hoje e nos próximos meses, vai enfrentar o maior baque da sua história na América do Sul. A centenária irá manter o escritório em São Paulo, sede na América do Sul, o centro de desenvolvimento de produto da Bahia e o campo de provas no Tatuí, São Paulo.

O presidente Lyle Watters, no texto de informação à imprensa, tenta amenizar a notícia tratando da confirmação da produção da nova geração da Ranger, da chegada do Bronco, do Mustang Mach 1 e da Transit, a Ford também planeja anunciar outros modelos totalmente novos, incluindo um veículo híbrido plug-in.

Mas a barra será primeiro o enfrentamento das pessoas, a conversa com os sindicatos e por último a recuperação da confiança que virá depois, bem depois porque assim funciona o protocolo da dita “renovação” da empresa. Leia-se nas palavras de Jim Farley, presidente e CEO da Ford: “…ações muito difíceis, mas necessárias, para a criação de um negócio saudável e sustentável”.

Podem esperar mais adiante. Outras marcas estão vivendo momento difíceis no Brasil que vive uma turbulência política e econômica. O mesmo país de cargas tributárias e leis trabalhistas pre históricas que transformam o terreno em uma pista de off road severa com grau 10 de dificuldade para quem pretende vencer, multiplicar empregos e lucrar. Relatamos aqui sobre a difícil relação de concessionários com Peugeot e Citroën, esse é um exemplo. E sabemos dos planos de investimentos dos franceses sim. Vamos aguardar por isso.

Lembro que a montadora prevê um impacto de aproximadamente US$ 4,1 bilhões em despesas não recorrentes, incluindo cerca de US$ 2,5 bilhões em 2020 e US$ 1,6 bilhão em 2021. Aproximadamente US$ 1,6 bilhão será relacionado a parte contábil atribuído à baixa de créditos fiscais, depreciação acelerada e amortização de ativos fixos. Os valores remanescentes de aproximadamente US$ 2,5 bilhões impactarão diretamente o caixa e estão, em sua maioria, relacionados a compensações, rescisões, acordos e outros pagamentos. Escreveram o último parágrafo desse jeito tratando os números que fazem parte do negócio.

ME CONHEÇA MAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Sua assinatura não pôde ser validada.
Você fez sua assinatura com sucesso.

Lista VIP

Assine nossa lista e receba notícias em primeira mão.