Publicidade

Erasmo Carlos: cantor já teve Rolls-Royce e precisou fugir em um Karmann-Ghia

Publicidade

O cantor e compositor Erasmo Carlos faleceu, nesta última terça-feira (22), aos 81 anos. O artista, no entanto, deixou um legado na música e uma história com os automóveis que, inclusive, serviram de inspiração.

Uma das canções mais famosas na voz de Roberto Carlos, o Calhambeque, é um exemplo da parceria com o Rei. Foram mais de 600 composições ao longo de sua carreira.

Erasmo já teve diversos carros de luxo em sua garagem, que serviram de inspiração para canções, como “Meu Carro é Vermelho”, “O Carango” e “Jeep”.

LEIA MAIS
+ CONHEÇA OS CARROS DOS BRASILEIROS CONVOCADOS PARA A COPA DO MUNDO NO CATAR

Por sinal, a Jeep é uma marca que o cantor admirava. Em um podcast promovido pela montadora, Erasmo destacou sua admiração pela fabricante.

“A Jeep é uma fascinação que eu tenho e trago desde a infância, porque eu nasci na guerra, em 41. Na guerra eu via o Jeep como uma coisa forte. Quando servi no Exército, eu vi um Jeep. Eu desfilei de Jeep na parada de 7 de Setembro. Eu tenho essa foto”, disse Erasmo.

Erasmo, Wanderléa e Roberto a bordo de um Jeep no filme ‘Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-Rosa’ Foto: Reprodução

Em filmes de direção de Roberto Farias, como ‘Roberto Carlos a 300 km por Hora’ e ‘Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-Rosa’, são alguns exemplos dos automóveis estrelando.

Na época da Jovem Guarda, o artista comprou um Rolls-Royce, que pertencia ao ex-governador de São Paulo Adhemar de Barros.

Perseguido
E a história com carros nem sempre foi boa. No ano de 1967, o artista teve um desentendimento com jovens durante um show. A bordo de seu Karmann-Ghia vermelho, Erasmo foi perseguido pela Rodovia Raposo Tavares, em São Paulo.

Karmann-Ghia de Erasmo alvejado por tiros | Foto: Reprodução/Acervo Estadão

Segundo notícias da época, seis tiros foram disparados contra o carro do compositor, que saiu ileso.

Publicidade

Artigos Recentes

Publicidade