Dia Nacional do Fusca: veja dicas para conservar seu “Besouro”

Assim como o Samba, o Futebol, o Fusca é um dos cartões postais do Brasil. O veículo foi um dos mais tradicionais e guarda uma história de muitas unidades em circulação pelas estradas do Brasil. Não é por acaso que o dia 20 de janeiro é considerado o Dia Nacional do Fusca. 

Mesmo após mais de 25 anos do fim de sua produção, o carro se tornou uma peça valiosa para os colecionadores. Quem tem, não larga a mão. O Fusca cativou os brasileiros por décadas, com seu design arredondado e proposta popular.

A maior prova do sucesso do “Besouro” no Brasil é que nenhum outro veículo de passeio teve tanto tempo de produção no país quanto o Fusca: 30 anos (de 1959 a 1986 e de 1993 a 1996).

E não foi apenas do Brasil que o Fusca fez história. Em outros mercados, o Besouro também fez seu nome, mas era conhecido de outras formas. Os alemães chamam de Käfer, os portugueses de Carocha e os norte-americanos de Beetle. O Beetle, inclusive, já esteve no Brasil. 

Mas para quem tem uma relíquia dessas na garagem é preciso de cuidados para manter o carro conservado e com um bom funcionamento.

LEIA MAIS
+ Confira os 5 carros hatches automáticos mais baratos do Brasil

Confira as dicas: 

Rodas de ligas leves sem “cicatrizes”
Ao longo dos anos e muitos quilômetros de contribuição nas ruas, muitos Fuscas pelo país ganharam rodas de liga leve dos seus donos. É natural, portanto, que esses materiais apresentem riscos e danos prejudiciais à sua estética. Existem maneiras de reparar essas marcas.

“Para tirar todos os danos presentes nas rodas de liga leve, no processo de reparo é utilizado adesivos híbridos sobre as áreas danificadas. O adesivo cura rapidamente em temperatura ambiente. Posteriormente é lixado e pintado, devolvendo à roda um visual de novo e sem qualquer vestígio do dano”, explica o gerente de Assistência Técnica para Adesivos e Selantes da Henkel, Célio Renato Ruiz.

Fusca reluzente e sem poeira
Soluções à base de silicone são as mais indicadas para um acabamento interno final após a limpeza, podendo ser aplicado sobre o painel e console, pois promovem camada protetora à superfície. O produto escolhido deve ser aplicado em pequenas porções e espalhado com uma esponja ou pano em movimentos circulares até que o revestimento esteja sobre toda a superfície.

Limpeza no motor reduz consumo (e gasto) com combustível
Fuscas com muita rodagem estão sujeitos a acúmulo de resíduos carbonizados dentro do motor e outras partes internas do veículo. A presença desses resíduos ocorre geralmente pela queima inadequada de combustível. A carbonização excessiva nas áreas internas do sistema do motor dificulta o fluxo de combustível e, em consequência, gera consumo maior de combustível. A limpeza deve ser feita por profissionais com o uso de descarbonizantes para a remoção de impurezas de bicos injetores, pistões, válvulas de admissão e escape, carburadores e câmaras de motores, entre outros.

Fusca mais seguro e sem chiados nas frenagens
“A partir do Fuscão, na década de 70, o uso de freio a disco dianteiro foi implementado. No momento da troca da pastilha durante a sua manutenção, recomenda-se o uso de produtos silenciadores na pastilha de freio, que contribuem para eliminar o ruído na frenagem, assim como a vedação das conexões do fluído de freio com vedantes anaeróbicos, garantindo a eficiência do sistema”, destaca o profissional da Henkel.

Publicidade

Artigos Recentes

Publicidade
Publicidade