Acelerei o novo Porsche GT3 RS em Silverstone: sonhos realizados

Autódromo de Silverstone. Esse era um dos meus sonhos. Sempre desejei acelerar nessa pista pelos seus quase 6 Km de extensão (5.891 Km). Imagine encontrar tudo no lugar, do jeito que a gente vê na TV, no GP da Inglaterra de F1. As arquibancadas, a área em torno do complexo, e nela, a estrutura do centro de experiências da Porsche, com sua formação de clientes usuários de pista.

 

Aqui, no Reino Unido, a missão foi dirigir o novo GT3 RS e deu para viver cada curva no circuito inglês, são 18, o percurso que na condução do esportivo, com adrenalina em alta, você pede para não acabar e ainda lembro que estava tudo no molhado, a garoa da quinta-feira passada tratou de deixar o asfalto suado e para mim, tenso. O desafio era passar acima dos 230 Km/h na reta que faz homenagem ao campeão Lewis Hamilton. O Royal Automobile Club, gestor da pista, deu esse presente ao hepta de F1 e o inglês não esconde esse orgulho. Lewis é quem mais venceu em Silverstone com sete vitórias e procurei não fazer feio. Controlei o GT3 RS no pé, nas mãos e na vontade.

Tudo se transformou em história e veja que anotei direito. Mas vamos ao que mais interessa: o melhor GT3 RS de todos os tempos.

Acho que é sempre assim, até para os puristas, 4.0 aspirado de 525 cv e apenas 15 kg a mais que o GT3. Entenda: antes de chegar na narração do esportivo, a força G (animal) é daquelas que somente dirigindo para entendê-la, o jornalista precisa ligar o modo de condução mais arrojado.

O GT3 RS começou a ser configurado no Brasil por R$ 1,769 milhão mas não se contente porque o porscheiro vai precisar investir uns trocados a mais.

O Porsche 911 GT3 RS não tem nada de discreto. E não teria graça em ser “normal”. Sua intenção vai além do chamar atenção nas ruas desse semi pista. A aparência do esportivo é caracterizada por um grande número de elementos aerodinâmicos funcionais. Olha a asa… O recurso mais notável do esportivo é o aerofólio traseiro tipo pescoço-de-ganso, significativamente maior em todas as dimensões. Não tem como passar despercebido e pela primeira vez na construção do carro está mais alto que o traço da carroceria. Ah! Nele, o motorista tem a chance de controlar o Cx do esportivo na opção manual ou automático. Pense nisso em alta velocidade, a diferença do movimento da asa. Lembrou das cenas na Fórmula 1?

Sob o capô, um motor seis cilindros aspirado, 4.0 L rende 525 cv de potência e 47,4 kgfm de torque. Aliado ao propulsor, uma transmissão PDK de sete velocidades empurram o 911 GT3 RS de 0-100 km/h em apenas 3,2 segundos e ele só vai parar perto dos 300 km/h – 296 km/h. E, para frear essa supermáquina os discos de freio em compósito de cerâmica (PCCB) são item de série para o Brasil e trazem discos de 410 mm no eixo dianteiro e discos de 390 mm no eixo traseiro. Roda aro 20 na frente e 21 atrás.

Leve, o GT3 RS tem apenas 1.450 kg e conta com uma construção baseada no amplo uso de fibra de carbono. É fibra para todos os lados. Isso reduz, consideravelmente, o peso do esportivo. As portas com os puxadores de corda remetendo a esportividade original dos carros de corrida, aerofólios dianteiros, teto e tampa dianteira, por exemplo, são feitos de fibra de carbono. O componente também é usado na parte interna, como nos bancos em concha, que também são itens de série. Os bancos são demais. Impecáveis.

O 911 GT3 RS está disponível com o pacote Clubsport sem custo adicional. Ele inclui uma gaiola de proteção em aço atrás dos bancos, um extintor de incêndio portátil e cintos de segurança de seis pontos para o motorista. Esse santantonio pode ser de carbono. Já o pacote Weissach está disponível por um valor adicional, inclui ainda mais elementos. Vá nele sem pensar duas vezes. Ah! O custo? R$ 278.710,00.

No pacote Weissach a tampa frontal, teto, partes do aerofólio traseiro e a estrutura superior dos espelhos externos têm acabamento em fibra de carbono. As barras anti-rolagem dianteira e traseira, as hastes de acoplamento traseiras são feitas de fibra de carbono e contribuem para o aperfeiçoamento da dinâmica de condução. A gaiola de proteção foi construída pela primeira vez a partir da fibra de carbono. Com a substituição do material, isso se reverte na economia de cerca de 6 kg, comparado à versão de aço. O pacote, ao total, reduz o peso em até 22 quilos.

O Porsche GT3 RS conta com três modos de condução: Normal, Sport e Track (a melhor na pista). É possível controlar, nas configurações, a carga de amortecimento dos eixos, bloquear o diferencial traseiro, mudar o controle de tração e estabilidade, entre diversas outras funções como perceber a vida da suspensão e a correção da eletrônica para todas as bobagens (erros) de pista.

O controle da aerodinâmica, que estabilidade diante da força! As novas peças de resfriamento do motor, a troca de calor que começa pela captura do ar, do novo intercooler (agora um só porque antes eram três), das saídas pelas fendas do capô até a extensão das duas canaletas no teto com função de dissipar o ar. A jovem engenharia Porsche entrou em ação com maestria. O carro “mergulha” como uma flecha contra o vento.

Mas andar de Porsche GT3, no Brasil, será para poucos. É preciso preparar o bolso para ter um desses na garagem. É que o esportivo tem preço de R$ 1.769.000. Segundo a Porsche, o carro já está disponível no Brasil para encomendas e chega no primeiro semestre de 2023.

No design, a leitura frontal com os faróis matrix impressiona, de lado e traseira nem se fala. Procure um ângulo ruim, no vídeo ou nas fotos. Não existe. Mas quero para o pretendente deixar um recado: pense em customizar do seu jeito, esse carro é eterno e para tirar a conclusão do que escrevo, basta revisitar todas as gerações para entender que o GT3 RS 992 é a maior referência da família 911.

Publicidade

Artigos Recentes

Publicidade
Publicidade